RESPOSTAS SOCIAIS E PROJETOS

Apoio Domiciliário na Saúde Mental

- Apoiar o doente e a família na transição do Hospital ou dos cuidados da rede para o domicílio;
- Evitar readmissões/internamentos desnecessárias;
- Evitar admissões prematuras em cuidados residenciais de longa duração;
- Melhorar a integração social e o acesso aos recursos da comunidade;
- Identificar precocemente situações de descompensação psicótica e orientar para os Serviços de Saúde Mental locais.

Objectivos

Promover actividades indutoras de autonomia do próprio e do relacionamento interpessoal que promovam a reinserção sócio-familiar e/ou profissional dos destinatários e eventualmente, cumulativamente ou em alternativa, a integração em:
- Estruturas residenciais adequadas;
- Articulação com estruturas de apoio domiciliário;
- Programas de formação e/ou emprego normal ou protegido. Quando a inserção em programas de formação e emprego se afigurar inviável, no todo ou em parte, há que proporcionar o desenvolvimento das capacidades remanescentes das pessoas com desvantagem psíquica, de molde a conseguir alguma integração social activa através de actividades que contribuem para o equilíbrio mental e a valorização. (Despacho Conjunto Saúde/ Trabalho e Solidariedade nº 407/98 – DR, II série nº 138, de 18 de Junho e Decreto-Lei nº8/2010 de 28 de Janeiro).

Destinatários

Pessoas com doença mental e suas famílias ou cuidadores, residentes no concelho de Lisboa.

Actividades

- Acompanhamento e apoio psicossocial e/ou ocupacional, envolvendo os familiares e outros cuidadores;
- Educação para a saúde aos doentes, familiares e cuidadores;
- Mediação de conflitos familiares;
- Apoio na gestão dos cuidados pessoais e nas actividades da Vida Diária no âmbito da reabilitação psicossocial;
- Encaminhamento dos doentes para os cuidados médicos e de enfermagem dos serviços locais de saúde;
- Apoio na gestão e toma da medicação e/ou injectável nos serviços de saúde locais;
- Apoio na gestão de dinheiro e convívio e lazer.

Equipa Técnica

- 1 Psicóloga;
- 1 Assistente Social.

Horário

Dias úteis, entre as 15:00 e as 18:30.

FÓRUNS SÓCIO-OCUPACIONAIS

O que é uma Unidade Sócio-Ocupacional e a quem se destina?

Uma Unidade Sócio-Ocupacional é um Equipamento localizado na comunidade, em espaço físico próprio, destinado a pessoas com desvantagem, transitória ou permanente, decorrente de doença psiquiátrica grave estabilizada, em que a estrita intervenção clínica se revelou insuficiente e em que a integração nesta estrutura perspectiva a facilitação da inserção sócio-familiar e/ou profissional.

Objectivos

Promover actividades indutoras de autonomia do próprio e do relacionamento interpessoal que promovam a reinserção sócio-familiar e/ou profissional dos destinatários e eventualmente, cumulativamente ou em alternativa, a integração em:
- Estruturas residenciais adequadas;
- Articulação com estruturas de apoio domiciliário;
- Programas de formação e/ou emprego normal ou protegido. Quando a inserção em programas de formação e emprego se afigurar inviável, no todo ou em parte, há que proporcionar o desenvolvimento das capacidades remanescentes das pessoas com desvantagem psíquica, de molde a conseguir alguma integração social activa através de actividades que contribuem para o equilíbrio mental e a valorização. (Despacho Conjunto Saúde/ Trabalho e Solidariedade nº 407/98 – DR, II série nº 138, de 18 de Junho e Decreto-Lei nº8/2010 de 28 de Janeiro).

Destinatários

Pessoas com Doença Mental Grave e Persistente.

Actividades

- Apoio e Reabilitação Psicossocial nas actividades da vida diária;
- Treino de competências cognitivas e sociais;
- Apoio sócio-ocupacional, incluindo convívio e lazer;
- Educação e aprendizagem;
- Supervisão na gestão da medicação e nas dinâmicas da vida diária;
- Apoio aos familiares e/ou outros cuidadores com vista à integração familiar;
- Apoio de grupo de auto-ajuda;
- Apoio e encaminhamento para serviços de formação e integração profissional;
- Promoção de actividades sócio-culturais e desportivas em articulação com as autarquias, associações culturais, desportivas e recreativas ou outras estruturas da comunidade.

Equipa Técnica

Equipa técnica multidisciplinar abrangendo áreas da saúde, social, educacional e cultural.

Horário

De Seg a Sex das 9:00 às 17:00. Aberto todo o ano.

Unidade Residencial

As Unidades de Vida são estruturas comunitárias residenciais criadas no âmbito do Despacho Conjunto 407/98 – DR II série, nº 138 de 18 Junho, entre o Ministério da Saúde e o Ministério do Trabalho e da Solidariedade, que pretendem essencialmente:

Proporcionar uma resposta de habitação, um aspecto fundamental no processo de reabilitação Psiquiátrica e na prevenção da Institucionalização, promovendo a convivência dentro de um grupo pequeno, mais adaptado e com inserção o mais possível na comunidade.

Estas estruturas têm estabelecido acordos de cooperação com o instituto da segurança social. Dispomos de 3 residências de apoio moderado e residência autónoma de saúde mental, de acordo com o Decreto-Lei nº 8/2010 de 28 Janeiro, onde os utentes são inseridos de acordo com seu grau de autonomia.

Objectivos gerais

- Promover a melhoria da qualidade de vida dos utentes;
- Promover o desenvolvimento pessoal e social;
- Promover a integração e participação dos utentes na comunidade;
- Promover o estreitamento da relação familiar, envolvendo-a no processo reabilitativo.

 

Destinatários

População adulta em situação de desvantagem, transitória ou permanente, por doença psiquiátrica a grave estabilizada.

Equipa Técnica

Psicopedagoga; Psicóloga; Técnica de Serviço Social ;Terapeuta Ocupacional ;Ajudantes de lar ;Trabalhadores Auxiliares.